quinta-feira, novembro 10, 2005

Outra Memória



Foste o primeiro a partir, sem olhar para trás, para nós, que deixavas ficar. A tua crueldade fez-me rancorosa e não te quis perdoar.
Com quem discutiría os assuntos da jota, da acção social, das injustiças do mundo? Quem iría d’ora avante zombar comigo do Governo e das Instituições Democráticas, que, de democráticas, para nós, nada tinham. Continuei reaccionária, mas sem companheiro de reacção. Reagi! Contra ti!
Faltou-me o moscardo que me picava sempre que me acobardava nas decisões, que me empurrava quando hesitava saltar no desconhecido.
Eras tu que quebravas o silêncio das tardes na longboard com anedotas, cujo sentido só para ti existia.
Toda a mulher precisa de um filho-da-mãe na sua vida, para não se envolver com um filho-da-outra que lha estrague verdadeiramente.
Consigo ver agora a tua expressão irónica enquanto escrevo estas linhas, como se me dissesses: - “…E JÁ VAIS TARDE!”-
Podia tê-lo feito há mais tempo, mas não encontrava a paz e a compaixão por mim para o fazer.
O meu feitio soviético morreu um pouco contigo, foi definhando, até que, por fim, exalou o seu último suspiro com o do Monstro… até há pouco tempo, quando o senti respirar de vida.
Agora, não termino mais um tributo, mas sim O Tributo que vos prometi, aquele que gostaria que me fizessem… O Recordar do Todo.
Hoje reviro as fotos e os nossos livros brancos a abarrotar de palavras, gatafunhos e bonecos, e cada momento, cada recordação, cada som, cada cheiro me devolvem de regresso àqueles tempos de irresponsabilidade sã. A cada retorno eu me sinto mais livre, menos pesada da culpa que me atribuí.
Tenho sorte em ter um anjo de espírito crítico a olhar por mim… Obrigada pelo sonho doido que me fizeste sonhar.
Também não tens casa, pertences ao meu coração enquanto eu me lembrar que te Amo, meu Miguel.

2 Comments:

Anonymous Fatima Saraiva said...

Esta foi a homenagem mais bonita que te vi a fazer. Mas a verdadeira homenagem que tu fizes-te Russa foi aquela que fizes-te em vida aos meus sobrinhos.O teu amor é puro porque tu és digna de o sentir e quem o recebe deve saber que tem a sorte de ser amado pela mulher mais leal que eu conheço.Quero ser digna dos teus sentimentos e da tua amizade. Nunca te esqueças que pertences á nossa familia e que podes contar com todos nós.
Beijinhos minha querida Russa de feitio soviético.

10/11/05 00:39  
Anonymous Anónimo said...

Li gostei e associei a uma conversa q tivemos na praia,compartilho com prazer os teus sentimentos por isso sou teu AMIGO um beijão tt

10/11/05 09:55  

Enviar um comentário

<< Home