domingo, junho 18, 2006

Rotina


Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Eugénio de Andrade


Que o destino me permita ter o olhar dos que olham pela primeira vez, dos que se espantam com o belo e o diferente. Dos que olham com olhos que vêem e o coração que sente... Que o destino não permita que perca o meu sentir...

3 Comments:

Anonymous errante said...

Disseram-me que escrevia bem. Vi espreitar e é absolutamente verdade.
Surpreendi-me ao encontrar Eugénio de Andrade, um poeta que me diz muito.

Parabéns por ser taão feliz e inspirada.

Errante

19/6/06 17:45  
Blogger Pandora said...

Errante: Obrigada por tão doce e elogiosa critica. Apenas gostaria de ter o prazer de saber quem a faz. Vai dizer-me?
Um abraço
Cláudia

20/6/06 02:23  
Blogger Delicatessen said...

Sinto-te...

deli...

23/6/06 14:17  

Enviar um comentário

<< Home