sábado, outubro 28, 2006

Os meus sapatos

A sociedade anda mal, porque gastamos o nosso quotidiano mergulhados na vida alheia e desejando para nós a vivência ilusória dos famosos que nos trazem as novelas, os reality shows, as revistas cor de rosa.
Não estou com vontade de debater as consequências desta ilusão, nem o que esta por detrás da futilidade que observamos nas fotografias da menina loura encavalitada no yate com o jogador de futebol famoso, ao folhear a Lux ou a Caras.
Prefiro debruçar-me sobre que caracteristicas de outras personalidades, puxaria para mim, para me moldar num ser mais perfeito.
No seguimento do meu crescimento, quis ser a médica investigadora famosa por conseguir encontrar a cura para uma maleita qualquer ( Egas Moniz ). Quis ser a artista de circo que voava no trapézio com movimentos de beleza flúida ( Circo Chen ). Quis ser a veterinária de Francisco de Assis... quis ser a primeira Presidente da Républica mulher deste país ( como se isso, só por si fosse fonte de iluminação), e trazer o progresso instantâneo para o país.
Ingenuidade? Nada disso. Vontade de marcar a diferença.
O que mudou? Nada! Nada de nada!
Continuo com vontade de o fazer, de marcar a diferença.
Mas com a certeza de que já o faço na vida das pessoas que me rodeiam.
Presunção minha? Nada disso!
A diferença é marcada no seguimento da interacção que fazemos com os que nos rodeiam, no momento em que fazemos questão de trabalhar com brio profissional, quando queremos acompanhar os amigos e ajudá-los a ultrapassar as suas dificuldades, ou quando os procuramos para que nos iluminem em momentos que também nós precisamos.
Necessáriamente, o nosso comportamento provoca efeitos distintos dentro na nossa esfera de acção, como nas alheias. Desta forma, marcamos a diferença, sempre que os efeitos do nosso comportamento se fazem sentir, sejam eles positivos, ou negativos.
Já com 33 anos, não considero que atingi a iluminação sabedora dos que vivenciaram uma vida. Mas, muito mais calmamente, calço os meus próprios sapatos, e sinto-os confortáveis nos meus pés.
Não me doem calos ou joanetes e, quando caminho, os meus passos tendem a manifestam-se seguros, firmes e confiantes do caminho que estou a percorrer.
Se a dúvida me assola, páro, inspiro para cheirar o ar, se for necessário faço uma pausa e sento-me, até saber se o próximo passo será conveniente para chegar ao meu destino... já não dispendo energia e tempo útil vaguendo à procura de um Norte, ou a lamentar-me por falta de orientação. Parece-me que esse tempo ficou lá atrás, com as recordações de fases anteriores.
Agrada-me que tenha consciência destas novas sensações. Agrada-me passar na rua e sentir-me assim... bem...e firme.
Não sei o que o futuro vai trazer consigo, se haverá muito mais para vivenciar, ou não.
Sei que, para já, por mais valorosas e valorizáveis que sejam outras pessoas e personalidades, não saíria destes meus sapatos por nada deste mundo.
.... Mas isto é o que eu sei hoje....!

5 Comments:

Anonymous Carlos said...

yep...

28/10/06 23:37  
Anonymous Carlos said...

heheh...reconheço algo nessa fotografia!!!...será o pé???...lol

10/11/06 00:50  
Blogger Myu said...

essa pulseira reconheço-a!! grande compra!! lol.. isso é q foi regatear!!! jinx ;)

11/11/06 13:46  
Anonymous Hugo said...

Eu tb ...srsrr....olhei ela no face box e encontrei-a aqui!!....massa cinzenta a tua!!..rsrsrs...está criativo ...gostei!

14/11/06 00:22  
Anonymous caprin said...

que dizer???
dei com este "cantinho" hoje através de uma amiga tua(outra história)... resolvi espreitar o que por aqui se passava e, surpresa das surpresas... encontro textos com alma e sentimento.
vou continuar a "passear" por aqui, pois vejo que tenho muitos meses de "atraso" :)

mas continua pois assim poderás marcar ainda mais a diferença.

5/4/07 20:30  

Enviar um comentário

<< Home